quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

O Verão invencível de Albert Camus

Praias que ninguém conhece

Sai um coelho da minha cartola: este meu meio dia que me sobra de folga vai ter que valer por dois dias inteirinhos.
Nao para de chover, o cinzento la fora agarra-nos como uma mão madrasta, as arvores movem-se como quem quer desatar a fugir. Sinto-me em letargia, mas nada que um bom banho com sal grosso nao quebre.
Aconteceram coisas boas e eu vou depositar esperança nelas.
Foi Deus que inventou os dias assim cinzentos, e acendeu as luzes algures.
(...)

Sem comentários:

Enviar um comentário