segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Dos tesouros de cada um, num mundo de ricos e pobres

Com noventa e um anos, ela nao tinha medo de nada. Nem sequer de ser sozinha no mundo ou de estar doente. Guiava-se com um bastão roído pelos bichos, tresandava a urina. Nao tomava medicação alguma e sorria como se tivesse cinco anos e quatro dias. Muito resmungona, e acho que isso era o motor.
Tenho uma irmã com cem anos, seis gatos e um cão.
(...)

Sem comentários:

Enviar um comentário