quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Uma sensação quase nova para mim

Ha mais de oito anos que nao sentia saudades do Verão.
Bom demais.
(...)

Gente assim

Poucas pessoas tem tanta capacidade de me fazer cair na realidade sem perder o humor, como ele.
Depois do jantar, como é habitual, liguei aos meus pais.
Na conversa com o meu velhote disse-lhe que tinha aberto uma garrafa de Alvarinho que ele deixou na geleira, ficou todo contente que eu o tivesse feito e ainda me disse que bebesse um copo por ele. Cascamos no Trump, falamos do Real Madrid e ainda bem que nao ganham sempre os mesmos, duas beijocas ao nosso Cristiano, quatro alfinetadas na política e muita reflexão sobre as incógnitas do futuro.
O escândalo foi quando lhe disse que tinha acendido uma vela de canela, para atrair prosperidade. Fartamos-nos de nos rir; diz ele:
Nao falta! Se fosse assim menina nao se assaltavam bancos, roubava-se canela!
Adoro-o.
Ali sentada, naquela hora de sossego e namoro pegado com o mar, dei comigo a pensar que so conheço duas coisas maiores do que aquela imensidão de agua vibrante:
O amor que sinto pela minha mãe e amor que sinto pela minha sobrinha.
(...)

O dia em imagens não fotografadas

Montinhos de terra a perder de vista, das toupeiras no parque.
Velhos de setenta anos a correr.
Cães de raça perigosa a lamber a cara a estranhos na esplanada.
Homens de mãos dadas, aos beijos, perdidamente enamorados.
Os velhos a jogar sueca la em baixo no castelo do queijo, hoje eram dezassete mais duas mulheres.
Dois gordos muito gordos no bus a comer bolachas de agua e sal e fruta. Com sofreguidão.
Passarinhos muito pequeninos cheios de alegria nas pocinhas de agua a volta dos chafariz.
Camelias que da vontade de roubar.
Surfistas a chegar de scooter.
O mar zangado.
O cheiro bom da serra e da ilha, na cidade.
Areia grossa; cantar em voz alta.
Imensas flores. Eu sei que amanhã vai chover, mas nao importa, ja chegou a Primavera.
(...)

Flash










 









Quando despertei pela manhã pensei que estava morta. Demorei uma hora a arrumar as ideias e as vontades. Um bom banho e a certeza de que muitas vezes na vida so sobrevivemos se formos egoístas. Roupa confortável e rumo ao parque da cidade.
Dia belíssimo, não tenho memoria de um Inverno mais generoso. Com a caminhada cheguei a sentir calor de Verão. Imensa gente a correr, a praticar footing, a passear os cães. Fiquei sem bateria antes de chegar la em baixo junto a praia, acontece-me sempre o mesmo. Mas não faz mal, minha historia de amor com o mar precisa disso mesmo, se ser a sos. Sem flash, sem ruido. Foi mesmo bom caminhar a pé quatro horas, parar na Doce Mar para tomar um cafe com leite e matar saudades dos croissants, perder o olhar nos navios la longe, esbatidos como miragens minhas. Foi mesmo bom ver tanta florinha ja a gritar pela Primavera. Sentir o Sol na minha pele, a aragem boa do mar, o silencio profundo, o cheiro a eucalipto no parque. Nao poder fotografar a arvore laranja, os melros apinhados no topo da arvore nua; mas guardar tudo ca dentro.
Ver mais casais de namorados de mãos dadas do mesmo sexo do que de sexos diferentes; e isto confesso que sim me espanta.
Pensei em muitas coisas, no que quero e não quero, nas saudades das minhas amigas, tempo tem sido tão pouco.. No amor, que continua a ser um mistério absolutamente insondável para mim.
Mas que grandeza, que poder, sentir que Deus nos deu a Natureza, os Bichos, o Mar. E que não há muros nem homens capazes de impedir que o pássaro mais frágil e pequeno possa voar.
Virão as chuvas, tanta coisa bela que vi hoje se irá perder..
Mas a Vida é isso mesmo, renovação constante.
Believe.
(...)

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Nove dias de trabalho seguidos, corpo inteiro dorido.
Fase de pouco entusiasmo, de nenhuma criatividade.
Muitas coisas para fazer, que requerem brilho, luz interior, dedicação; tudo isso com doses generosas de Vontade.
E eu a dormir, e eu a contar tristezas.
(...)

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Amor

"E desconhecia que é preciso empunhar o leme para que as aguas inundem desesperadamente as margens."
Caderno de significados de Graça Pires

sábado, 14 de janeiro de 2017

A chegar ao aeroporto, bem antes de nos despedirmos, a minha irmã falou-me dos propósitos dela para 2017.
E tão miúda que é, disse-me algo em que fiquei a pensar:
Toda a gente tem tres amores na vida: o primeiro amor da nossa vida, o amor impossível da nossa vida, e o amor da nossa vida.
(...)

Espiritualidade

Hoje entrei na igreja e fiquei a acompanhar o terço, que se reza todos os dias ao fim da tarde. Estava ansiosa por esse momento, nao sei explicar. Foi como tomar banho por dentro.
Todo o tempo as minhas preces foram so por gratidão.
Uma gratidão imensa.
(...)
As arvores aqui da rua precisam muito de chuva.
As folhas velhas ainda nao caíram todas; nao tarda nada quererão rebentar as novas.
(...)

Flash

Lights
Despedir-me da familia custa sempre.
Eles sao a melhor parte de mim.
(...)

A loucura de Janeiro

Inspira, respira.
Repetir quarenta vezes.
(...)

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Viver dias assim

Para sempre na memoria aquela gente boa da Serra, que nem sabe que e feliz. Aqueles bichos espertos e naturalmente bem cuidados, aqueles costumes de tanta educacao e trabalho. Aquele silencio que nos choca de frente com o curso natural da vida. A roupa estendida na colina, o cheiro a murta, a buzina do peixeiro, a igreja construida em 1940, as fontes de agua que apetece beber de todas. As mulheres viuvas de luto completo, em que da idade nao podemos adivinhar mais do que a certeza de que rondam os setentas e oitentas, cheias de bencaos sagradas na hora em que nos despedimos, sempre vindas do campo ou a fazer qualquer outra tarefa. Muito frio, muito vinho, boa mesa, alguns lamentos de que viver ali nem sempre e facil ("tem dias"). Nao ha jovens nem criancas; e eu nao compreendo como matamos assim os lugares mais bonitos do mundo. Nao ha stress, nao se percebem invejas, ninguem fala alto, ha um cemiterio muito cuidado e pequenino e uma casa de oracao de portas abertas o dia inteiro.
(...)
Alentejo. A renda romantica da fisionomia de Portugal inteiro. Casinhas simples com portas e janelas encaixilhadas em azul Verao e amarelo Sol. Sobreiros e planicie a perder de vista, gado que visto assim parece sempre tao manso. Sensacao de infinito.
(...)
Lanzarote del Mar. Uma filha bastarda de um amor imenso a soar a amaldicoado entre o mar e Africa. Terra queimada, fogo. Um sentimento de respeito absoluto pelas forcas da natureza. Sabermos-nos pequeninos, filhos do vento e de lugares magicos. Figueiras biblicas. Palmeiras belas, imponentes, isoladas. Tantas fotografias inexplicaveis tiradas com o silencio do olhar.
(...)
Os dois dias no cruzeiro com os pais foram os mais felizes da minha vida. Rimos, dancamos, jogamos cartas, vimos o dia nascer desde a proa. Foi tao simples e tao bom, tao bonito de se viver.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Estou mesmo a precisar

A Serra, o Alentejo e a ilha.
Os melhores lugares do mundo para carregar baterias.
Continuo a sentir que apesar dos sacrificios que faço, da vida de corre corre e com os tostões contados, a melhor decisão que tomei foi regressar ao Porto.
Aqui definitivamente, estou em casa.
2017, ano primeiro. 
Com experiencia em numerologia, ela falou deste ano como um ano de recomeços, de reconquistas.
Depois falamos nas cores e escolhemos o branco intuição.
(...)

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Quase tres da madrugada.
Compromissos a partir das oito e meia; um almoço / reunião e um jantar de ano novo. Quatro corridas valentes pelo meio e eu ja sinto as pernas bambas.
Vontade mesmo tenho de hibernar uma semana inteira. Sinto-me exausta, mesmo a precisar de ferias, que supostamente começaram hoje.

Querida B

Hoje comprei-te o teu primeiro soutien. Para uma tia coisas destas sao um acontecimento importante.
Estas muito zangada com o pai Natal porque lhe pediste um e ele esqueceu-se de ti. Tu minha pequenina ja tão vaidosa, tu que ainda nem tens maminhas, achas que vais crescer como os desenhos animados encantados, so por vestires um soutien.
Branco, as pintinhas azuis, com um lacinho cor de rosa. Bem brega, bem menina.
Vais adorar.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Janeiro

O maior cliché: como um livro novo.
Vou fazer neste Janeiro coisas que nao fiz em 2016 inteiro. Coisas tão simples como tomar banho de mar, ou voltar a pintar as minhas unhas de burgundy dez dias seguidos.
(...)
"The guilty undertaker sighs The lonesome organ grinder cries The silver saxophones say I should refuse you The cracked bells and washed-out horns Blow into my face with scorn But it’s not that way I wasn’t born to lose you I want you, I want you I want you so bad Honey, I want you"

Bob Dylan