segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Chama-me de meu amor platônico. Diz a toda a gente que eu seria a única mulher no mundo com quem seria capaz de casar. Trata a minha mãe por sogra. Daqui a pouco faz uma década que vive este romance a solo. Nunca lhe dei sequer um beijo, nem mais do que apenas a minha amizade sincera. Confesso que nunca acreditei que sinta de verdade o tanto que diz sentir, mais ou menos tenho aprendido com os homens a nao acreditar.
Por vezes fico a pensar na curiosa condição humana, como é que sem nada uns sao capazes de tanto e com tanto outros nao sao capazes de nada.

Sem comentários:

Enviar um comentário