sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Deliciosos dias de Primavera em pleno Outono.
Sinto-me arvore por dentro.
(...)
Passados quinze anos, nao pensei voltar a escrever sobre ti.
Mas ha conclusões que nao se tiram em quinze dias, nem em quinze semanas.  O amor para mim continua a ser uma miragem, mas devo admitir que foste o único que chegou e sem medo absolutamente nenhum, me incluiste inteiramente na tua vida. E ficaste comigo durante quatro anos inteiros.
Eu nao sabia que isso tinha assim tanto valor sabes. Nunca mais me voltou a acontecer.

De um amigo de oitenta anos

"És o meu farol."
Obrigado pela mensagem antes de dormir, sobretudo por me iluminar.
(...)

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Again and again and again...

Bom dia Vida

Uma imensa gratidão no meu peito.
Por todas as lições, por todas as pessoas, por todas as pontes, por todas as portas (as abertas e as fechadas), por todas as vezes que acertei e por todas aquelas em que errei.
Conheço a paz da vista do sope da montanha e a sensação incrível dos ventos quando estamos no pico dela; nao abriria mão de uma sensação em detrimento de outra.
Ha uma coisa que aprendi e que agora me faz ser mais forte perante as adversidades: mesmo que o caminho seja atribulado, ele vai sempre levar-nos a algum lugar.
Mais dia menos dia, os acontecimentos fazem sentido.
Aloha.

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Flash

Grow
"Tive esta noite uma sensação de frio no coração: nao havia cobertor que mo agasalhasse."
Raul Brandao, in A morte do palhaço e o misterio da arvore

"is there a word for feeling happy and sad at the same time?"
(das me)

O melhor da Vida

Sao mesmo aquelas pessoas que se mantém, que chegaram sem timing previsto de inclusão na nossa historia. Elas vieram e ficaram.
A grande diferença?
Com as outras também aprendemos, mas com estas crescemos juntos. Podemos desembocar numa big party ou numa guerra escura, aconteça o que acontecer vamos continuar juntos. E isto nao somos nos que decidimos que vai ser assim, isto nos so sabemos no decorrer da vida.

Desistir de pessoas

Parece bruto, parece improcedente, nao esta previsto que funcione como um modus operandi comum ao longo da vida. Mas acontece.
Acontece e da-se o caso de por vezes ser regenerador, como quando cortamos os talos velhos a uma planta para que ela cresça mais forte, como quando cortamos o cabelo no fim do Verão para abrir caminho ao novo.
2016 tem sido um ano muito marcante para mim neste aspecto.
(...)

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Tenho muitas saudades da minha sobrinha, todos os dias penso nela. No ultimo video no portão do colegio, disse-me que tem saudades de dormir comigo. E esta tão grande, tão bonita.
Um dia ela vai compreender porque fui eu capaz de ficar longe, de ficar sozinha. Vai compreender que os sonhos as vezes cobram-nos um preço. E que ha uma serie de aprendizagens que so se fazem, vivendo.
Talvez um dia eu cresça ou me canse, ou fique de algum lugar. Talvez um dia a tia nao precise de continuar a viver de mala sempre feita.
(...)
Nao gosto mesmo nada, de no dia da minha folga ainda estar de pijama vestido a esta hora. Mas precisava mesmo de descansar, de esquecer todos os compromissos pendentes, adiados uma e outra vez, ja sem desculpa que se justifique. Precisava disto, de parar, de nao ter que fazer absolutamente nada, a nao ser dar voltas na cama. Vou tomar um duche, talvez descer para tomar um cafe, so para ver gente, ouvir o pulsar da vida, so para nao deixar que o descanso se torne melancolia.
(...)

Flash

                  Da-me muita esperança, ver o que as chuvas fortes fazem com a calçada.

Sobre o dia de ontem

Por vezes nem sei bem o que ainda me move. O que me faz sair do trabalho e entrar numa correria louca contra o tempo para assistir a uma palestra dada por um importante criminologista americano, chegar a casa as dez da noite, gelada, exausta e sem grande capacidade para pensar.
Eu ja nem penso que me estou a formar profissionalmente, ja so penso que invisto na minha formação pessoal, mais nada.

sábado, 22 de outubro de 2016

Uma sugestão muito seria

De um livro que todos deveríamos ler, mesmo os que nao gostam de ler. Muda-nos a vida para sempre, torna-nos mais atentos, se calhar mais humanos. Agarra-nos o coração sem qualquer cerimonia, de forma brutal e inesquecível, em apenas cento e cinquenta paginas que relatam a historia verdadeira de uma menina chamada Sofia.
O segredo do fogo (titulo original Eldens Hemlighet), de Henning Mankell.

Flash

Meu amor das trincheiras.
Peguei numa jarra de vidro reciclado e atirei-lhe para o fundo florinhas secas. Depois esqueci do vidro e das flores e vi so o que acontecia num espaço novo que se criou e que parecia agua, uma leve ondulação de agua, onde se reflectiam formas vestidas com a cor das flores e onde o vidro reciclado se transformava em vidro novo e liso. Como o caminho em direção ao coração de uma espiral.
(...)

Intervenção em Crise, Emergencia e Catástrofe

Dos dinheiros mais bem gastos pela minha pessoa, foi o que investi nesta pós-graduação. Profissionais de tanto nivel e com nome na praça, que poder passar um dia inteiro com eles representa mais do que todo um luxo. De um enriquecimento pessoal e profissional indescritíveis.
Ja valeu a pena.

Mezinhas caseiras

Ha coisas que nunca vamos poder explicar porquê que nenhum médico nunca nos disse para fazermos. Sao tão simples, tão económicas, tão incrivelmente funcionais, que temos mesmo que partilhar.
Tenho andado - outra vez - com crises sérias de vesícula. A minha vizinha de oitenta anos disse-me para beber agua gaseificada (Vidago) morna e deitar-me sobre o lado direito. Pareceu-me tão fantástico, eu que ja me enchi de cholagut e chás de ervanário e que ja ouvi gente entendida dizer que para isto nao ha nada a nao ser "andar até tirar". Mas tinha dor e indisposição séria pelo que provei o ultimo remedio.
E nao é que funciona? Mesmo.

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Bom dia Vida

Viram ontem a grande reportagem no jornal da noite com o nosso querido Siza Vieira?
O dom de um Homem será sempre para que ele se preocupe com o mundo que o rodeia.
Adorei.
Sexta-feira, sexto dia de trabalho, nao perder o foco, nao desanimar.
(...)

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Presentes de Natal

A minha mãe, em modo de conversa muito seria comigo ao telefone, pediu-me que em Dezembro lhe apresente um namorado.
Tenho menos de dois meses para encontrar quem nao encontrei numa vida inteira.

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Flash



Da minha ilha.

Aos olhos de uma criança

A Bi diz que a minha voz, a da mamã dela e a da tia Cris, sao iguais. Revela inclusive alguma dificuldade em identificar-nos ao telefone.
Eu confesso que babo, acho a definição mais bonita do mundo sobre o cordão que une irmãs.

Flash

Hoje afaguei-lhe a frente, creio que por segundos o consegui domar. Ao cavalo selvagem que mora no meu peito.

Ha coisas que me comovem ate aos ossos

Um destes dias durante o jantar assisti sem querer a uma reportagem, daquelas que toda a gente deveria ver. Sobre os sonhos, a persistencia, a união. Sobre os juniores brasileiros campeões mundiais de surf. Dois miúdos que cresceram e vivem na favela, e que so por causa daqueles vizinhos e amigos que se juntaram para que aqueles dois meninos pudessem viajar a países onde decorreram os campeonatos, eles sao hoje campeões mundiais de verdade. So por causa de uma mãe que mora numa favela e que juntou todas as poupanças para comprar uma prancha de surf profissional para o seu menino cair no mundo.
Gente da favela unindo tostões para que um so menino possa realizar um sonho.

Quando as pessoas sao Grandes e nem suspeitávamos

Aquela rapariga tem mais um par de anos do que eu. Dois filhos, uma vida aos trambolhões. Nunca deu sinais de ser uma mulher de nobreza ou valentia.
Primeiro um cancro no esófago, perder as cordas vocais. Depois um cancro na tiróide. Uma sombra no pulmão. Manteve-se inquebrável nos pos-operatorio, creio que so a vi derrubada uma única vez. Iniciou ciclo de 36 sessões de radio, ante-sala da quimio.
No dia da primeira sessão mandou-me uma mensagem com um daqueles bonecos amarelos, parvos, aos pulos, a sorrir. Escreveu simplesmente:
"Ja so faltam 35."
(...)
Eu suspeito - e acredito - que ela vai vencer.

Flash





Saudades profundas da ilha, da minha Africa na Europa. Nao dos 34 graus que a mãe me disse que estavam ontem. Mas da luz, do silencio, da tranquilidade. De todos os dias serem dias grandes, de as rosas nao serem so flores de Maio, de Viver.

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Uma das mais belas musicas de todo o sempre

A vida acontece igual

Marquei um encontro em determinado cafe da cidade. Quando cheguei sentei-me numa mesa livre. No banco havia uma rosa branca e em cima da mesa um totoloto por preencher.
Nao sei porque aquilo incomodou-me, talvez fosse de alguém que se tivesse ausentado momentaneamente por alguma razão. Mudei de mesa. Dez minutos depois o empregado de mesa dirige-se a minha mesa com a rosa e o totoloto e diz-me:
"Menina esqueceu-se disto." Alguém chegou, ocupou a mesa e sentiu o mesmo desconforto que eu.
Mas nao, nao era meu. Quase foi, por duas vezes no mesmo dia.
(...)
Eu adoro a forma como actualmente se veste o Sergio Godinho.
Representa um total desprendimento, uma certa liberdade, determinado conteúdo.
A isso chamo eu de estatuto.

Tao dificil ficar longe

Todos eles, os do núcleo duro da Familia, sao realmente a minha única casa no mundo. Mas entre todos, aquelas duas: a mais velha e a mais nova.
Minha mãe e minha sobrinha, meus Amores maiores nesta vida e em todas as vidas inteiras ou vidas partidas. Por elas as duas valera a pena viver muitas vezes, vidas de cem anos e vidas de cinco dias.
(...)

Encontrar o meu caminho

Estou mais perto.
"Veras que se vão abrir mais portas quando terminares a pós-graduação."
Nao sei se se vão abrir portas ou nao, sei que me faz feliz, e que isso para mim, nesta altura da minha vida, realmente é o mais importante. Vivemos para o salario, para o estatuto, para uma infinidade de coisas das quais ja abri mão duas vezes por livre vontade (sem arrependimento). Um dia eu vou estar de novo a ajudar, a sentir-me completa, a perceber que tudo faz sentido. Sem ilusões; o mundo em redor continuara feito de hienas; mas nao so.
(...)
Tenho muitas saudades do mar. Quando lhe morre o azul, nos dias de chuva.
(...)
Chama-me de meu amor platônico. Diz a toda a gente que eu seria a única mulher no mundo com quem seria capaz de casar. Trata a minha mãe por sogra. Daqui a pouco faz uma década que vive este romance a solo. Nunca lhe dei sequer um beijo, nem mais do que apenas a minha amizade sincera. Confesso que nunca acreditei que sinta de verdade o tanto que diz sentir, mais ou menos tenho aprendido com os homens a nao acreditar.
Por vezes fico a pensar na curiosa condição humana, como é que sem nada uns sao capazes de tanto e com tanto outros nao sao capazes de nada.

Da vida, quando nos quer surpreender

Alguém que nao me conhece, que nunca me viu, ofereceu-me um contrato de trabalho de um ano, com funções de chefia, a partir de Dezembro, se eu quiser regressar a ilha.
Unica e exclusivamente por ter ouvido falar do meu trabalho.
Hoje numa conversa sobre o alheamento propositado do Bob Dylan em relação ao Nobel que acaba de ganhar, uma amiga disse-me algo do genero:
"Compreendo perfeitamente, ele deve achar que nao merece, eu também acho que nao!"
Nao acho que seja nada disso. Acho que entre varias possibilidades cabe a de que ele realmente nunca teve isso na mira, em perspectiva. Nunca foi por isso que lutou, e portanto mantém-se fiel a sua visão e forma de estar em relação ao que cria. O premio é uma coisa mais nossa do que dele.
De resto na minha modesta opinião acho que foi um dos Premios Nobel mais bem entregues de sempre. E ao Dylan, por ser extraordinariamente bom, perdoamos tudo: mesmo que ele nao queira receber um premio seja ele qual for.

Flash



E de repente ha um bichinho no nosso coração que começa a roer de novo..
Hora de mudar tudo outra vez.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

The first time ever i saw your face

Desejo

Feito inteiro de amor, feito de voo de pássaro do bosque a viver na nossa mente.
Reconhecer o valor exacto de um cheiro, do toque das almofadas das pontas dos dedos, de toda a electricidade contida na palavra roçar, de ficar febril sem ter febre, de fechar os olhos e escutar o ruido das pestanas que se encontram, de reconhecer a nossa pele e o nosso corpo como seres vivos, de ter o nosso coração seguro a bater dentro do coração de alguém, de veias inflamadas de pura excitação, de uma mão grossa que nos prende pela alma, do latejar divino entre pernas.
Quem nunca Desejou de asas abertas e em voo picado, nunca viveu na expressão máxima da palavra Viver.

Flash




Outono no Palacio. Tanta folha ainda por cair...

Da boa gestão do tempo

Nove da manhã do dia de hoje, entre o Bolhao e os Aliados.

Hoje foi um dia exemplar.
Despertei mais cedo com intenção de estudar. Havia um silencio tão bom, aproveitei e ainda de pijama resolvi tratar de algumas plantas, foi o meu primeiro namoro do dia.
Sai de casa para o trabalho com uma boa margem de tempo; parei na igreja da Trindade e foi importante este bocadinho de reabastecer a paz logo no inicio do meu dia. Fiz o trajecto ate ao trabalho como se fosse turista na cidade, eu adoro namorar assim a cidade.
Consegui sair mais cedo do trabalho e so porque hoje esteve um dia belíssimo, com um céu azul estupendo, resolvi passar nos jardins do palacio para ver como anda o Outono por la. Pessoas estendidas nos jardins a apanhar sol, um rapaz a meditar sentado sobre a folhagem caída, tantos casais de namorados.
Que maravilha, que maravilha.

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Esta semana ao telefone com a minha sobrinha

"Tia estoy muy malita, tengo tos y sabes que? Piojos!"

Entrei numa livraria exclusivamente infantil, que costuma ter livros infantis tão encantadores que chego a ter vontade de os comprar para mim. Pedi ajuda para encontrar um livro sobre piolhos para crianças com cinco anos, para ajuda-la a perceber que os piolhos nao sao dinossauros e que relembrando a importancia dos cuidados no asseio e na higiene, fazem parte de uma infancia normal. Nada, nao tinham nada. Acreditam?

Passaram meses

Desde que trago as unhas sem cor.
Esta manhã olhei para as minhas mãos e tive vontade de voltar a usar o meu rosa velho.

Flash

Magia.

Flash

Fotografado hoje, numa rua ali para os lados das galerias de arte.
Quantas saudades tuas, meu menino amarelo...

13

Milagre do sol.
(...)

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

O novo secretario-geral da ONU

Nao posso deixar passar em branco:
Muito muito feliz pelo engenheiro Antonio Guterres.

Flash


As primeiras chuvas

O transito fica caótico, dá a sensação que ninguém estava a espera do Outono. Terça-feira ao fim da tarde, quando começaram a cair as primeiras gotas, na rua fazia-se sentir um ambiente de urgencia: gente a correr, ainda poucos guarda-chuvas, buzinas descontroladas. O retrato autentico de uma sexta-feira ás seis da tarde.
Em percursos a pe ha imagens indescritíveis:
O homem-garça la em baixo em Alferes Malheiro; todos os dias quando passo de manha, ele esta ali. Com a mesma roupa, com a mesma calma. Chamo-lhe assim porque tem umas pernas magras e longas. Uma barba suja e sempre um chapéu na cabeça. Gostava de saber que visão tem ele do mundo, de nos, porque que escolheu viver naquela rua, naquele lugar, nesta cidade, ele que transmite tanta calma escolheu viver justo onde nos vomita o metro naquela que deve ser a estação central da cidade. Nao consigo adivinhar-lhe a identidade, pode perfeitamente ser polaco. Ele, o homem-garça foi o único nestes dias que nao vi correr e fugir da chuva.
O rapaz a travessar a rua, que para saltar uma poça de agua elegantemente se elevou no ar tal qual um Nureyev; será bailarino? Belíssimo.
E quando ja nao chovia, a menina de uns tres anos, de guarda-chuva aberto. Um daqueles guarda-chuvas de contos de fada, cheio de macacadas e no alto umas orelhas bem proeminentes. Eu sorri e ouvi a avo dizer: "O que ela mais quer é que caia chuva!"
O vendedor de castanhas ja quase no cair da noite, com o carro das castanhas parado ali no Marquês. O que se ria aquele homem com uma senhora de avental e óculos, os dois velhos. O fumo e o cheiro a castanhas, as chispas de fogo a casarem lindamente com o anoitecer. Um dos cenários mais quentes e bonitos do Outono.
(...)
Eu sou muito feliz em todas as estações, bem vinda querida chuva.

Adenda ao post anterior

Musica em modo repeat dentro de mim.
Olho para tras e fui capaz de tantas coisas, algumas de miúda valente. Deve ser por isso que ainda nao me zanguei comigo mesma pela apatia vestida de preguiça a que me tenho dado ao luxo nos últimos meses.
(...)

sábado, 8 de outubro de 2016

Meu amor bebe cerveja do sul. Ele é simples e é pacato, como sao todos os homens de bem. Coleciona cromos repetidos, como os meninos pequenos na fase da fixação. As vezes escreve frases que me comovem, e ás vezes faz longos silencios ás minhas perguntas: prefere os silencios ás mentiras e nem suspeita que eu, apesar de tudo, admiro-lhe também essa característica. Protege-me do po dos dias, do cinzento da vida. Para ele o mundo dos sonhos pesa tanto como o mundo real. Gosta da cor verde. Nele moram juntos o Peter Pan, o Soldadinho de Chumbo e o Principezinho. Sonha comigo com viagens tão fantásticas a lugares tão absurdos como a sombra de um sobreiro.
Foi uma sorte muito grande te-lo encontrado nesta vida. Nesta também.
(...)

Flash




Nas ruas da cidade.

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Véspera de dois dias inteiros e suas noites, livres. Uma serie de coisas para organizar ca em casa, estabelecer rotinas, voltar a sentir-me orientada.
Descansar muito, ler, sossegar.

Dia de tristeza

Ficar assim quieta, calada. Como os lagos e os parques e jardins da cidade, quando ninguém visita no rigor do Inverno. Como as pombas nos beirais dos telhados das casas na cidade, observando desde ali um caos humano quase cómico, se nao fosse trágico.
(...)

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Sobre coincidencias

Ha mais de uma década que quero ler um livro que veio parar as minhas mãos hoje:
O Deus das Pequenas Coisas, de Arundhati Roy.

domingo, 2 de outubro de 2016

Para ler na próxima folga

Imbatíveis na qualidade.

Adenda ao post anterior

Hoje vi os primeiros bolo-rei a venda. Na minha confeitaria do coração.
Comoveu-me seriamente descobrir assim que o natal esta a um passinho de chegar. Com ele chegam também as minhas pessoas mais queridas do mundo inteiro.
(...)

Outono

Boa altura para criar espaços ca em casa. Mudar as coisas de sitio, dar vida nova aos objectos decorativos, mimar as minhas plantas, espalhar paus de canela para aromatizar a cozinha, ligar o meu radio vintage e ouvir a smooth fm enquanto cozinho.
Começar assim devagarinho, com muito amor, a preparar a casa para a chegada dos pais.

Flash




                    Veio para morar num livro ca em casa.

Bom pressagio

Esta semana a arrancar umas ervas daninhas encontrei um quartzo rosa enterrado na terra.
Tão bom ver gente assim feliz.
Ouvi-lo falar dos planos futuros com os olhos a brilhar como um garoto de cinco anos.
E pensar que tem a minha idade...

sábado, 1 de outubro de 2016

Restaurar o meu ADN profissional

Esta a ser francamente difícil, mas surgem algumas boas oportunidades, como o Terceiro Congresso da Ordem dos Psicólogos Portugueses, que aconteceu esta semana na alfândega do Porto. Uma boa oportunidade para rever antigos colegas, para abraçar professores do tempo da faculdade.
Para relembrar que adoro a minha área de eleição, a Psicologia.
Para relembrar que sou feliz a ajudar os outros, muito mais feliz.
E que cumpra sonhos ou nao, nunca esquecer que nao escolhi esta área para enriquecer.

A Ana e o vestido de casamento

Dei comigo a relembrar aquele dia, e o como e quanto aprendi naquela hora.
Eu estava de ferias uma semana no Porto, ia ser madrinha de casamento da Ana e do Ze alguns meses mais tarde. Ela tinha decidido que iria comprar o vestido de noiva comigo. So tínhamos aquela pequena porção de tarde juntas ate ao grande dia. Muita gente nao seria capaz de comprar nem uns sapatos no espaço de uma hora, a Ana comprou o vestido de casamento.
Basicamente a vida esta feita de decisões assim; sem grandes hesitações, sem grandes medos.
Moro relativamente perto da Avenida dos Combatentes, pelo que a miude atravesso a avenida a pe. Esta semana, por causa das saudades, da tristeza (eu sei la), dei comigo a olhar para aquelas casas - as mais imponentes - e pensei que sempre me lembram da minha mãe. Também me lembram dela as orquídeas floridas, as maquinas de costura, trajes de bom corte, batom laranja.
(...)