sexta-feira, 10 de junho de 2016

Resiliencia

Depois do tempo de ver sangrar velhas feridas, de beijar a cicatriz de cada uma delas e ficar em paz com a minha historia, depois de pedir perdão e aceitar o silencio, depois da angustia do compasso da espera, de por fim aceitar a perda; agradecer tudo. Os dias bons, e os dias maus; todos foram aprendizagem.
Perceber que ninguém fica sem querer, ninguém perdoa se o coração nao esta disponível. E que isso nao é um erro, ou uma falha do outro; é apenas uma circunstancia que devemos aceitar.
Estes estão a ser os dias mais terríveis: sem trabalho, sem perspectivas, a ver de frente o risco serio de perder a especialização que foi uma aposta muito grande de minha parte, sem saber se vou para a esquerda ou vou para a direita; e ao mesmo tempo como quem faz um malabarismo com laranjas, a tentar focar-me em muitas historias de sucesso, de gente que luta contra as maiores adversidades, de sorrisos. Procurar por mim num passeio a tarde no parque, tentar dar-me a mim mesma uma palmadinha nas costas, ou um pontapé no traseiro em direção ao caminho. Sem tristezas, sem lamentos.

Foi sempre isso que eu idealizei em alguém com quem pudesse um dia partilhar a vida: que ficasse ao meu lado, fossem quais fossem as circunstancias; mesmo que entre nos pudesse haver uma oceano ou quarenta países. De resto pensar que o Amor se constrói, nao é uma estrela cadente. E que começos difíceis so sao fins se nao houver sentimento, e se nao ha sentimento, nao ha nada para lamentar.

E depois o meu gato. O meu grande amigo que hoje voltou para casa. Um fim de semana para se despedir da familia, e eu nao vou estar. Pedi a mãe para por uma peça de roupa minha na cama dele, é a única forma que tenho de lhe dizer que estou perto; e estou, e estamos (ainda esta noite o ouvi miar na escuridão do meu quarto). Segunda-feira será o dia. Deixa-lo partir, cumpriu de forma exemplar a missão de companheiro e amigo.

Tudo falha ao mesmo tempo, tudo parece dar errado. Nao esquecer que algumas vezes la atras, Deus escreveu certo por linhas tortas. Quem sabe o que resultara destes dias tão difíceis.

Lembro-me de ter pensado muitas vezes neste momento, que ele chegaria.

Sem comentários:

Enviar um comentário