quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Um Natal todos juntos

Nao existe nada melhor no mundo, nenhum lugar mais seguro, do que uma mesa com a Familia reunida em redor.
Agora que o pai esta doente e que percebo que nao vamos ser assim tao felizes para sempre, que o gato esta velho e quase cego, que a mae tem cada vez mais manias mas continua a salvar-nos como se nao estivesse tao cansada, que eu estou de mala feita e por causa disso nao sei se estaremos todos juntos no proximo Natal; olho para nos e gosto-nos tanto, de um Amor tao profundo e intocavel.
(...)

Os presentes

Chega a ser um absurdo o que gastamos e como vivemos esta epoca. Tudo o que eu queria me pareceu demasiado caro para que alguem da familia me oferecesse. Sai uma manha e comprei algumas coisas para mim, acho que ja nao tenho idade de pedir nada. Coisas uteis, que me vao fazer imenso jeito no meu regresso a uma cidade no pico do inverno. Mesmo assim, vi-me tambem como mais uma vitima do consumismo, das marcas sobretudo. Prefiro pagar um pouco mais mas saber que compro algo que me vai durar um tempo razoavel, no fundo tudo manias de quem viveu sem preocupacoes financeiras nos ultimos oito anos.
Anyway o natal traz sempre surpresas, a nossa arvore ca em casa esta tao carregada de presentes e eu so espero que apesar de sermos muitos, a maioria daqueles embrulhos sejam para a pequenina de quatro anos. Ela ontem exclamou: "Vaya tantos regalos, papai noel esta loco!" Ate ela se apercebe.
Foi sempre assim, a minha mae sempre preparou cada natal como se fosse o nosso ultimo natal juntos e felizes; que algum dia sera.
Os grandes presentes deste meu natal, sao sem duvida, tudo coisas imateriais; ja ganhei alguns nos ultimos dias, espero ganhar o mais importante de todos nos proximos.
Gostava, aparte o nosso pequenino mundo particular, que tudo estivesse melhor neste planeta, que fossemos humanos de mais qualidade, que nao houvesse tanta gente a precisar de ajuda, que nao fossemos tao medrosos invejosos e xenofobos, que educacao e amabilidade voltassem a ser valores maiores.
(...)

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Natal

Nos ultimos dias do ano

De bradar aos ceus o que se vai lendo sem querer, nas noticias, nas redes sociais:

- Ainda ha gente neste mundo que pensa que trabalhar na caixa do Pingo Doce é defeito grave
- Alguem perdeu tempo a fazer um estudo para concluir a beleza de que quem diz palavroes é mais inteligente
- Hitler so tinha um testiculo (ja podemos dormir descansados)
- Banif para ca, Banif para la
- Eleicoes em qualquer pais da CE (ainda ha gente que acredita que nos podemos governar)
- O estado deploravel do sistema de saude fez uma vitima com nome, e ha tantas todos os dias
- A vaga de refugiados revela uma casposa resma de gente racista e ignorante, que andava camuflada
- Nao comam carne, nao comam chouriço, nao comam presunto (comam sementes)
- Nove de cada dez pessoas que se dizem intolerantes ao gluten, nao sao celiacos
- Verao em dezembro
- (...)

Para ver, ainda este ano

Ha dias como o de hoje, em que recebes presentes tao grandes que te sentes pequenina.
Obrigado querida D, valeu a pena ter vindo ate aqui, ter vivido estes oito anos, so para ler o que me escreveste hoje.

domingo, 20 de dezembro de 2015

Natal

- Tia, tengo un regalo de navidad para ti.
Uma folha de papel A4, dobrada sem pontas a bater certo. Abro, encontro um desenho.
- Una estrella fugaz, para que se cumplan todos tus deseos...

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Flash

"O importante não é a casa onde moramos, mas onde, em nós, a casa mora."
Mia Couto

domingo, 13 de dezembro de 2015

Sonhar aos 37

Talvez um dia eu escreva muito, olhe o mar, beba vinho e venda livros.
(...)
Nunca me lembrei de pedir isso, nunca em nenhum dos natais dos meus trinta e seis anos vividos pedi ao fantastico pai natal que os meus pais nunca adoecessem. Penso que algures na magia fiquei pequenina para sempre e acreditei profundamente que eles eram eternos.
2015 foi um ano duro, de muita luta, de muita pressao e que termina cheio de novidades e decisoes que mudaram a nossa vida - acreditamos sempre que para melhor. Excepto o que aconteceu esta semana e que, pela primeira vez na vida me faz desejar para este natal e para todos os outros que eu viva, que eles - os meus pais - vivam tambem.
Natal é a gente que nos mora do lado de dentro, sao as nossas pessoas; sem elas nao ha luzes nem magia.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Momentos unicos

Estava aqui a fazer um zapping pelo facebook e lembrei daquele dia em que eu e a mae vimos uma aurora boreal. Foi tao incrivel. Se eu nao tivesse vindo viver na ilha, muito possivelmente nunca veria nenhuma.

Sobre o trailer do ultimo post

Ontem fui ao cinema ver os Ocho apellidos catalanes. Ri tanto, gostei tanto.
Adoro a diversidade do povo espanhol, adoro de paixao. Acho quase o principal simbolo de identidade deste povo, que o distingue de forma muito especial de todos os outros. Confesso que nao compreendo tanta rivalidade, tao seria, cada vez mais acentuada nos ultimos tempos: ha espanhois que queimam a bandeira de Espanha. Aqui na ilha conheci canarios, bascos, galegos, asturianos, andaluzes, catalaes. Uma riqueza apaixonante.

Natal

Adenda aos dois ultimos posts

Eu gosto de ruinas.
De sentir que ali houve historia, de sentir que o fim de ciclos faz parte natural da vida, que a beleza apenas se transforma.
Comentario do meu pai sobre as fotografias do ultimo post:
"Nao sei que especialidade ves tu nessas fotos. Portas velhas caramba, eu ja deitei tantas ao lixo..."

Nota: Ele é carpinteiro.

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Flash




As maos e a sabedoria da Esther

Ontem fui fazer a massagem do mes. Massagem, reiki, flores de Bach e o toque muito especial das maos dela. Um relaxamento completo, uma hora de intensa cura dos sentidos, de viagem ao interior, de equilibrio de energias.
Espero que no meu regresso ao Porto consiga encontrar alguem do estilo da Esther; entre isso e uma caminhada por semana, poder continuar a aportar bem estar ao meu corpo e mente.

Bom dia Vida

Tenho tanta coisa para fazer ainda neste dezembro. Fica decretado a partir de hoje que se termina este estado de letargia em que vivi nos ultimos vinte e um dias.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

A ler Territorio Comanche, de Arturo Perez-Reverte

Intro:

"Una autentica historia de guerra nunca es moral. No instruye, ni alienta la virtud, ni sugiere modelos de comportamiento, ni impide que los hombres hagan las cosas que siempre hicieron. Si una historia de guerra parece moral, no la creais."

Tim O'Brian: Las cosas que llevaban los hombres que lucharon

Natal

domingo, 6 de dezembro de 2015

Passion for pics

Hoje foi o dia. Sai para caminhar, levei a maquina fotografica. Conversei com o meu velhote um bom par de horas, depois sentamos numa terraza very spanish, em frente ao mar. Bebemos um martini, comemos umas tapas. Havia calor, uns la bem perto de trinta graus: o nosso dezembro.
Disparei a maquina como eu gosto, uma centena de vezes, por puro prazer.
Encontrei um casal e dois caes a fazer um picnic em plena praia, para mim aquele foi o retrato mais fiel de gente feliz que vi nos ultimos tempos. Pescadores, gente comum e descomplicada. Casinhas antigas, janelas velhas, porticos em ruinas. Gatos, muitos gatos; vadios, espertos.
Areia vulcanica, negra e brilhante; o mar bravo, barquinhos la longe. Apanhei uma pedrinha negra e uma concha para a minha mae, que ela guardou como se lhe entregasse um tesouro.
Sao dias assim que me constroem, que me acalmam; que me ajudam a ser um bocadinho mais perto de feliz.

sábado, 5 de dezembro de 2015

Quase vinte dias depois de sair da empresa, ainda ha gente que vem ter comigo na rua e me pede uma oportunidade de trabalho.
A ultima vez que estive no Porto, ao cruzar Santa Catarina, ainda houve uma vendedora da revista Cais que me reconheceu e cumprimentou.
(...)
O meu irmao e a namorada passaram la por casa, aproveitei a oportunidade e desfiz-me de umas quantas coisas que eles quiseram aproveitar para a casa deles. A determinada altura, diz ela:
- Nao te da pena deixares assim as tuas coisas?...
Disse-o num tom pausado, de lamento, de incompreensao.
Nao. Sao so isso mesmo, coisas.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Fizemos o teu primeiro trabalho escolar a serio, juntas

Hoje passei a tarde a fazer um trabalho escolar com a minha sobrinha. A miuda tem quatro aninhos. O trabalho envolve a Dora exploradora, sobre alguns dos principais monumentos e locais ingleses. Foi um quebra cabecas mas ela esteve todo o tempo entusiasmada: pintou, desenhou, colou. No final disse direitinho tudo o que aprendeu:
- O Big Ben e aquele relogio fabuloso
- O Zoologico mais antigo do mundo
- A roda gigante
- A ponte do milenio
- O Palacio de Westminster

Ficou tao bonito, eu fiquei tao orgulhosa de ti.

Dezembro

Chegou.
Com ele, toda a paz e amor que formos capazes de sentir, guardar, doar. Os mais belos cenarios de neve e pinhas e arvores de natal e bambis e meninos Jesus na mangedoura. Criatividade, muita muita.
Viver cada dia deste mes, devagarinho.