segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Para nunca me esquecer

Hoje conheci a Rosa. A Rosa veio de Bilbao, tem cem anos, casou oito vezes.
Voces sabem o que se sente quando se conversa com alguem assim?
(...)

Novembro a terminar

Por ca dias de sol, de calor. Novembro e as praias com gente; eu ainda nao calcei meias, ainda se dorme sem pijama.
As vezes penso que me apaixonei para o resto da vida por estas manhas cheias de paz e luz, e que vou chorar a ausencia de dias assim muitas dias da minha nova vida a partir de janeiro.
Ha muitas ilhas no mundo, mas so esta sera sempre a minha ilha.

domingo, 29 de novembro de 2015

Causas e Pessoas

https://www.ted.com/talks/lisa_kristine_glimpses_of_modern_day_slavery?language=pt

Momentos inesqueciveis

Dormi em casa dos meus pais. Levantei-me cedo e encontrei a minha sobrinha sentada na sala a ver um filme de desenhos animados - creio que o livro da selva - num desses momentos cheios de ternura. Ela estava sozinha, a chorar em silencio. Com quatro anos, a chorar de emoção...

O mais importante: as pessoas

Passaram onze dias desde que deixei a empresa onde trabalhei nos ultimos oito anos. Disseram-me que o Javier - aquela pessoa que eu admiro tanto - diz a todos que desde a minha saida sente um vazio grande.
Por vezes - e so assim - sentimos e ficamos a saber que fizemos tudo certo.

sábado, 28 de novembro de 2015

Nao tenho tirado fotografias, nao tenho feito caminhadas, nao tenho cuidado da casa nem sequer encaixotado a minha vida reunida nos dois ultimos anos. Tenho dormido manhas inteiras, ontem comprei um livro: Arenas movedizas, do extraordinario Henning Mankell; tenho bebido vinho como quem comemora algo muito especial, tenho escrito a velhos amigos e descoberto muitas coisas, sobre mim e sobre os outros; tenho olhado o mar com amor imenso... o meu mar, a minha casa do meio.
Tenho estado inseparavel do gato e da baby, escuto mais musica, hoje fui a uma exposicao.
Os dias passam e sinto-me bem com a decisao que tomei. Nao sei quantas pessoas o fariam no meu lugar, mas sei que nao se trata de valentia. Valente mesmo é quem nao tem nada e atravessa o mundo de uma ponta a outra com dois trapos as costas, sem documentos, sem futuro, sem nada. Eu so tenho a sorte de poder tomar um caminho ou outro, e de encontrar ainda algumas pessoas que me irao acompanhar sempre - quer eu esteja de um lado ou do outro dessa estrada.
O mais importante na vida nao é o que temos e sim quem temos, sera sempre. Depois disso somos feitos de muitas pequenas aventuras que vao dando lugar a um puzzle. Conheci a cultura islenha - incomparavel -, aprendi a viver com uma tal liberdade no olhar que nao vos posso descrever, agora falo castelhano e conheci gente indispensavel para a minha formacao pessoal que se nao tivesse naquele dia enfiado uma mala com quatro coisas naquele aviao, nunca teria conhecido. O sol e a chuva agora tem outro valor para mim. Ca dentro estou mais calma, mais forte, mais segura.
Faz tanto sentido esta viagem de oito anos, nao é grande esta frase? É.
Estou exactamente no ponto do caminho onde me sinto bem, onde quero estar. Agora sei que vou aprender coisas novas, que a minha vida nao parou ali para sempre, em dias todos milimetricamente iguais.
Nunca aspirei a uma carreira, ao topo. Sou mais feliz com outros aspectos e sinto-me orgulhosa nesse sentido: nao sou escrava de uma posicao social, so preciso de quatro trocados para nao ser engolida por esse mundo que nao me representa.
Se der tudo errado, como sera? Nao sei, se esse dia chegar, tenho alma e formacao suficientes para enfrentar com dignidade.
Se calhar estou so a procura de quatro dias de felicidade, mas que podem fazer valer a pena quarenta anos de vida.

Natal

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Confissoes de quem nao percebe nadinha de politica

Gosto muito de tudo, sim senhor. So nao sei onde vai o senhor Antonio Costa buscar todo o dinheiro que precisa para cumprir as promessas que fez ao povo. Ou esta muito bem assessorado e tem gestores de topo na mesinha de cabeceira - desses que conseguem sacar dinheiro de debaixo das pedras -, ou nem quero pensar no futuro...

O talho do amigo do avô do Manelinho

O Manuel tem quatro anos, frequenta o mesmo colegio e a mesma turminha da minha sobrinha Bianca. Estes dias tenho ido buscar a nossa menina e reparei que o avô do Manuel é quem o vai buscar todos os dias. Hoje chegamos antes da hora e ficamos um bocado de tempo ali à conversa. Entretanto chegou o dono do talho, e o mecanico, e fomos formando um grupo onde eu era a mais jovem e os mais velhos se conheciam de toda a vida - gente do povoado. Conversamos sobre as conversas engraçadas dos miudos e diz o avô do Manuel para o dono do talho:

"Sabes lo que me dice mi nieto?
 - Abuelo a mi no me gusta tu amigo Jose, el se mata todos los animalitos..."

E quem tem uma resposta adequada para isto, nesta idade?
Sem duvida que a pureza e inocencia nos desarmam...

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Arrepiante

Esta manhã ao ler o jornal e ver as novidades no nosso sistema de saude, fiquei com um bocadinho de esperança - so um bocadinho - no novo governo.
Eu ja me vejo no Porto. Na minha casa com chao de madeira, nas minhas manhas de domingo a ler o JN na Doce Alto, nas caminhadas pelo Parque da Cidade e pela Foz, nos reencontros com gente dos comercios, na rua, gente que eu nem conheço mas que é a minha gente. Caminhar Santa Catarina inteira e nao comprar nada, so passear bem devagar. Espantar-me com tudo, e sentir-me em casa.
Nao vai ser facil, eu sei. Mas nao quero sentir o medo dos outros, ja vivi com medo os ultimos anos, medo de ficar aqui para sempre, medo de nunca conseguir tomar uma decisao. Eu queria asas e deram-mas, deixem-me voar.
(...)

Amigos que ficam

Ele ja me telefonou duas vezes desde que deixei o hotel, para me dizer que sente a minha falta. Hoje disse-me que a noite passada sonhou comigo.
(...)
Despedi-me das minhas plantas de grande porte, as guardiãs la de casa. Ofereci-as a um casal com terreno suficiente para que a oliveira que trouxe de Portugal - que cresceu tanto! - continue a crescer saudavel e feliz e por fim possa lançar raizes a terra sem limites. Costumo regar as plantas as quintas-feiras, manias minhas que se converteram em habitos delas. Pedi-lhes que amanha lhes dessem a beber um bocadinho de agua, ao que a rapariga dirigindo-se ao namorado, comentou: Teras que tratar tu delas que ja sabes que eu nao gosto de plantas. Percebi imediatamente que nao so vao sentir a minha falta como nao vao ser tao felizes como eu esperava.
Nao sou apegada às coisas; mas aos bichos, às plantas e às pessoas, sim.

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Pequeninas alegrias

Champions ao rubro: Porto perde, Chelsea ganha, Messi a caminho da proxima bola de ouro.

Depois da decisao tomada

Tenho recebido tanto carinho, tanto apoio. Tenho gente na minha vida que é feito arvore, dessas la para os lados do liceu onde estudei, que ja existiam quando eu nasci, que continuam enormemente iguais, passados tantos invernos...

sábado, 21 de novembro de 2015

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Que sensacao boa, de uma paz branca e um sossego enorme.
Hoje entreguei a casa verbalmente, fico nela ate ao ultimo dia do ano.
Custa-me tomar decisoes, mas depois de as tomar, fluo leve e serena.

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

A hora certa

Por fim chegou. Nao a hora dos outros, nao a hora da pressa; a minha hora certa, aquela hora que algumas pessoas do meu mundo particular ja nao acreditavam mais que um dia chegaria.
Todas as pecinhas se encaixaram sem atrito, com a calma necessaria nas grandes decisoes da vida. Cada dia destes quase oito anos foram uma intensa formacao interior, foi o meu tempo de retiro, um tempo imensamente necessario que so eu e mais ninguem poderiamos saber o quao realmente necessario era. Foi preciso crescer e mingar todos os dias, ficar sem rumo, sem vontade. Perceber que as roupas e as coisas nao valem nada e que toda a bagagem do mundo que levarei de volta comigo sera o meu gato e o meu coracao cheio.
Nao foi uma decisao dificil, foi muito tempo a moldar esta especie de alforria pelo que posso considerar que esta decisao dormiu debaixo da luz da lua, tomou muito banho de mar e secou ao sol. Devia-me isto a mim mesma e resolvi que seria um bom presente de aniversario: nao abdicar nunca de procurar ser feliz.
Se voltasse atras voltaria a viver este tempo. Aprendi a ser mais tranquila e a estar na vida com a mesma postura de quem esta permanentemente de viagem, coisas tolas mas talvez por isso nunca tenha retirado do chaveiro de casa a chave da mala de viagem.
Sempre senti que um dia ia voltar e ontem, dei o passo principal. No inicio de 2016 volto a viver no Porto.

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

A cara do Antonio Costa - mais tudo o que ele promete - causa-me sono.
Nao me convence nenhum politico da actualidade, nenhum.

Ultima hora

Afinal o senhor Cavaco ainda da cartas. Quem diria.
Parece que a menina Catarina Martins vai ter que esperar mais um bocadinho, oh que chatice.
As pessoas cumprem etapas, realizam sonhos. A minha mae abre amanha uma loja, algo muito importante para ela.
Ao fim do dia lembrei-me do dia mais triste da minha vida, o dia em que foi o funeral da minha avo. Nesse dia senti-me a pessoa mais sozinha do mundo; salvou-me literalmente a vida o abraco das minhas amigas, em modo de despedida, ao fim da tarde desse mesmo dia, em que toda eu era cansaco e pena.
No dia seguinte o aviao levantou voo, e deixei tudo para tras.

Do atentado em Paris

Que foi, como todos sabemos, um atentado ao mundo.
Levei dois dias a tremer por dentro e por fora, e ainda me sinto incerta ca dentro.
Algumas pessoas choram as mais de cem vitimas neste atentado e sobre isto ouvi esta manha na radio um comentador dizer uma verdade enorme, e que causa tanta vergonha: que as vitimas ocidentais, por mais que nos choquem, sao uma insignificante percentagem dos numeros reais de vitimas que inglobam milhares e milhares de muculmanos. Todos os dias morre gente nas maos destes descerebrados. Ainda na semana passada foram duzentos meninos e meninas sirios - da idade da minha sobrinha -, fuzilados, todos em fila ajoelhados, de costas, como se fossem ratos; nao viram as imagens? Toda a Europa viu essas imagens - uma Europa hipocrita, desculpem-me. Tardaram menos de dez minutos em eliminar duzentas criancas inocentes, duzentas criancas do nosso mundo, pertencentes ao futuro da humanidade. Transformam em vitima a toda e qualquer pessoa que nao partilhe a mesma ideologia, eles proprios sao vitimas de si mesmos. Tinhas tanta razao querido Nelson Mandela, por vezes so se vence usando as mesmas armas. Bombardear, bombardear e bombardear. Mas nas ruas das nossas cidades - por favor - nao cairmos na ignorancia de defendermos valores como liberdade esquecendo-nos de outros valores igualmente grandes como solidariedade. Nunca vamos poder garantir que a totalidade dos refugiados sao pessoas de bem, como jamais poderemos garantir que o total de europeus sao pessoas de bem. Mas o que esta claro foi o que afirmou o senhor Juncker, que nao podemos cair no erro de confundir refugiados com criminosos. Muitas dessas pessoas desesperadas fogem precisamente da gente que perpetou o horror em Paris na sexta-feira 13 de novembro.
Cabe aos governos estreitar fronteiras, apertar a vigilancia, cometer algumas atitudes dificeis de compreender mas perfeitamente necessarias como prender familiares, interrogar vizinhos, nao permitir a entrada nos paises se houver a mais leve suspeita de algo, sob o risco de podermos estar a ser injustos. Faz falta toda a prudencia, e mesmo assim, nunca mais estaremos seguros como estivemos ate cada um dos atentados desde o 11 de setembro. Os acontecimentos em Paris lembram-nos a todos como somos vulneraveis perante este tema tao sensivel; lembram-nos que qualquer cidadao do mundo poderia estar ali, naquele momento, no Bataclan. Obrigam-nos a uma coisa muito bonita chamada uniao, obrigam-nos a finalmente sermos um bocadinho menos hipocritas e a perceber que afinal podemos fazer alguma coisa por aqueles meninos sirios.
So ha um caminho: todos juntos - todos - contra o terrorismo.

A politica em Portugal

A menina do bloco de esquerda nunca pensou poder contar tantas estorias.
Continuamos na mesma: uma mao cheia de nada e outra cheia de coisa nenhuma...

Bom dia Vida

Precisava de uma manha como esta. Nas maos da minha querida Esther. Envolta em aromas das flores de Bach, num ambiente de puro reiki, numa massagem completa que me cobriu de paz e tranquilidade. Depois da semana que tive, era tudo o que eu estava a precisar.

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Da semana

Nao ter tempo para quem nos importa nesta vida, para mim sera sempre uma especie de pobreza imperdoavel.
"Onde nao houver amor, nao te demores..."

Era uma vez umas mini-ferias

Disse a Simone de Oliveira que nunca devemos falar sobre os nossos planos. Seria  - segundo ela - o mesmo que dizer que no proximo domingo vou fazer um pic-nic, depois chegar a domingo e cair um valente chaparrao de chuva.
Esta noite dormi dez horas e levantei-me exausta. O vermelho disparou...

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Planos para umas mini-ferias

Um dia de verao a sos, um dia inteiro. Banhos de mar, sal na pele, apanhar conchas: chegaram bastantes com o ultimo temporal. Trazer pedras novas para os quatro vasos que tenho na terraza. Pintar as unhas no meu eterno rosa velho. Sair todos os dias com a maquina fotografica. Longas caminhadas a pe, demanha bem cedo ou ao final da tarde, esses dois momentos perfeitos do dia. Ler um livro inteiro. Voltar ao reiki. Perder-me numa bela massagem e durante essa hora inteirinha libertar todas essas energias acomuladas, desnecessarias, em mim. Sentir-me em paz, descansada. Esquecer que sao ferias. Visitar as coleccoes de inverno nas lojas e morrer de amor pelas lãs porque me lembram como sabe bem o frio, assim agasalhada, na minha cidade. Abrir num dia qualquer um vinho desses que a gente so abre em ocasioes muito especiais. Cortar o cabelo. Ver chegar o instante magico, esse segundo de arrepio na alma, em que nos sentimos rendidos, abertos, ao espirito de natal; e so assim acalmar a tristeza que sinto por ver este nosso mundo tao a deriva. Organizar a casa e a alma.
E depois, retomar a vida outra vez. Mais leve, mais feliz, mais capaz.

domingo, 8 de novembro de 2015

Governar em Portugal

A falsa do bloco de esquerda, que veio dizer ha uns dias atras que nao se aliava a ninguem, foi a primeira em trincar a bolota. Anyway o actual governo precisava de um safanao valente.

O melhor spot publicitario do ano



"Angus Watt es el mas prestigioso artista especializado en la creacion e instalacion de banderas en todo el mundo. Su obra no solo consiste en disenarlas en todos sus formatos y colores, sino tambien en instalarlas y ponerlas en una relacion perfecta con la energia del viento y del sol para convertirlas en obras de arte naturales y dinamicas. Angus Watt ha instalado miles de sus banderas en los festivales WOMAD de Surafrica, Australia, Estados Unidos, Emirados Arabes, Singapur, Grecia, Sri Lanka, Nueva Zelanda, Italia y Espana."
El arte por bandera, WOMAD Gran Tarajal 2015
Talvez, se o animo melhorar, hoje se asse castanhas nesta casa. Castanhas vindas de Carrazedo, e bom vinho portugues.
Um luxo.
Felizmente o mundo tambem esta feito de Pessoas assim:

http://www.jn.pt/PaginaInicial/Mundo/Interior.aspx?content_id=4873423

Bom dia

Despertei cedo, sai para espreitar o ambiente do WOMAD no ultimo dia, a essa hora em que quase todos dormem e curam a ressaca da noite anterior. Tomei o meu cafe com leite, tirei duas fotografias as bandeiras na praia, caminhei dez minutos e fugi do sol. Voltei para casa e confesso que o que me apetece mesmo e enfiar o pijama e passar um dia de cama e livros. Muito cansaco no corpo e alma e quilos de jornais atrasados que nem sei se vale a pena ler. Esta semana com a noticia de que ate os monges budistas sao clientes de redes de prostituicao de menores, a nota nada surpreendente de que a igreja catolica para canonizar um santo obriga a familia a pagar um valor que pode ascender aos quatrocentos mil euros - que nao sao investidos em paliar a pobreza e sim em enriquecer o interior do vaticano -  fico mais e mais fechada em mim. Todas as religioes do mundo (todas, repito) nao sao mais do que formas de alguem se privilegiar. Num mundo onde cada vez ha mais desigualdade.

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Abrir um vinho e comemorar:
Enamorada hasta las trancas, por quien no me quiere.
O importante não é saber que ele está na China ou em Fradelos, o importante mesmo, mais do que a confirmação de que ele existe, é saber e sentir que depois de tudo, o meu coração é como esses pássaros que não se obrigam a qualquer inverno.

terça-feira, 3 de novembro de 2015

O tempo corre tao desenfreadamente que o WOMAD volta ao nosso pequeno povoado para a sua edicao 2015. Mais de vinte mil pessoas num ambiente hippie vem desfrutar de quatro dias de musica na praia. Eu escuto de casa o som da musica e um certo rumor de gente em festa. Nao me apetece baixar ate la, nao hoje.
Preciso de um banho de agua quente, ficar ali a acabar com o cilindro; tentar ler algo que valha a pena, dormir cedo.

domingo, 1 de novembro de 2015

Retomar as minhas caminhadas de passo largo e apressado. Livrar-me deste cansaço, esta ao fim das tardes nao sou eu. Novembro, o mes em que me cai a pele das maos; o mes perfeito para restaurar as janelas da alma. Preciso dos meus livros, de voltar a tirar fotografias porque isso me faz feliz, preciso de olhar mais para a linha do horizonte.
Nao esperar nada; manter a certeza de que a Vida nos traz tudo na medida certa e na hora exacta.

Sweet november

Bom dia Vida.
Despertei cedo, dormi bem. Preparei um cafe e sentei-me na terraza dos pais. Ha silencio e a instantes o cucu canta. Um sol bom, cheio de luz. A sombra das plantas, o gato, o mar calmo.
(...)