quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Impressionam-me as imagens, continuam a causar-me espanto

"Hungria 1956-1957. A memória dos povos é curta, demasiado curta. Na sequência da revolução de 1956 - alguns chamam-lhe contrarrevolução -, que culminou com o bombardeamento de Budapeste pelo exército soviético e com uma repressão sangrenta que se prolongou por anos, mais de 250.000 húngaros abandonaram o país como refugiados, boa parte dos quais acabou por ser acolhida na Jugoslávia e noutros países europeus. Aconteceu há menos de seis décadas."

Por cima de todos os nossos medos, bem acima deles, deve permanecer uma certa lucidez que nos obrigue a ver que alem fronteiras existe gente igual a nos. Que devemos salvar como gostariamos de ser salvos.

Sem comentários:

Enviar um comentário