quarta-feira, 24 de junho de 2015

"Recordo um alentejano da raia, velho duns oitenta e tal anos, com que me cruzei algumas vezes na sala de espera do IPO. Aparecia sempre de fato, o mesmo fato, de colarinho apertado sem gravata. Quando era chamado, avancava cheio de dignidade, como um principe e lhe digo que nunca vi gravata mais bonita do que aquela que ele nao trazia. Sabe, somos um pais de principes."
Antonio Lobo Antunes

Sem comentários:

Enviar um comentário