quinta-feira, 30 de abril de 2015

Bom dia

Hoje no cafe da manha li no jornal a historia do Borja e fiquei com o resto do meu dia iluminado. O Borja é um menino de onze anos que juntava dinheiro num porquinho, para um dia comprar uns patins. Este miudo igual a tantos outros ficou a saber que a associacao de vizinhos do povoado onde vive, nao tinha dinheiro para este mes poder atribuir leite no cabaz alimentar com que ajudam cerca de sessenta familias carenciadas. Foi a casa, abriu o porquinho, e saiu para comprar leite. Cento e cinquenta litros de leite, foi quanto o Borja, sozinho, conseguiu comprar para a associacao. Ficou sem os patins, mas diz ele que esta muito feliz porque sente que fez o que tinha que fazer.
Sao estas as almas que salvam o mundo, as que acreditam, as que agem. Com certeza havia por ali gente adulta com possibilidades de o fazer, com certeza alguma das sessenta familias nao gere correctamente os seus dinheiros, pode ate ser que a associacao seja uma entre tantas com as contas pouco claras. O certo é que o Borja soube o que tinha que fazer. E eu, se tivesse um filho destes, ficaria tao cheia de orgulho e vaidade, que nem vos conto.

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Dia de mar

Desci ate a praia, fiz uma caminhada, apanhei conchas pequeninas para encher com elas uma garrafinha de vidro de algum licor que terminou em casa da mae. Tinha saudades destes dias cheios de imensa luz, de azul de mar e azul de ceu. Tinha saudades da espuma das ondas incrivelmente branca, do brilho intenso da areia, do cheiro a Verao. Das buganvilias tao coloridas e carregadas no caminho. Dos meus pes descalcos sobre a areia, da cancao do mar.
Nao conto os dias de praia, so conto os dias de mar...
“Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser. Que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir, e ver.”
Amyr Klink
Quase final de mes.
Deveriamos todos, os que nao estamos no Nepal e que vivemos vidas razoavelmente estaveis, em todo o mundo, incluir no nosso orcamento mensal uma contribuicao para ajudar aquela gente.
Esquecamos o dilema de que a maior parte das instituicoes dao bicadas nessas ajudas. Chegue o que chegar, vale sempre a pena. Hoje foram eles, amanha podemos ser nos.

Parabens por esta belissima campanha

Eu acredito em almas gemeas. Acredito tanto no Amor como uma mae de sete filhos.
Por vezes sinto que as pessoas certas se encontram para alem de quarenta mil anos, e isso, essa especie de sensacao-certeza, enche-me de paz.
Nao conheco nenhuma historia de vida que eu gostasse que fosse a minha, talvez isso signifique que estou no caminho certo.

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Leio Manoel de Barros, leio sobre regressao e eternidade da alma. Ultimamente durmo muito, acho que ando triste. Tento escrever sobre as coisas que me entristecem, e nao consigo.
(...)

Flash

Ávila

     "E debaixo do ceu imenso, ser como um espantalho de pardais..."
      Anton Tchekhov

Assim vamos

Esta semana falaram-me numa empresa de conservas que propos aos funcionarios receberem 30% dos salarios em conservas. Aqui, na Europa.

Pffffffffffff

Semana complicada, em que tenho tido que contar ate dez, dez mil vezes por dia, todos os dias.

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Os livros

Toda a gratidao que lhes tenho. Nao pudera eu ter aprendido a compreender o mundo - sobretudo a compreender - sem os livros que li.

Do nosso mundo

http://www.publico.pt/mundo/noticia/de-como-a-inercia-pode-matar-1693099
Por vezes chove sem parar e fica cinzento ca dentro. Tento que seja coisa so minha, mas fico mais calada, ando mais quieta. Fico a chas e a horas de sono, preciso de todo o silencio que houver, do meu gato, da minha sobrinha, do mar.
(...)

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Flash


 Yellow

Acho que foi Samuel Beckett que contou aquela piada do sastre que levava seis meses a fazer umas calças, ate que o cliente aborrecido lhe disse qualquer coisa do estilo Deus fez o mundo em seis dias e voce leva seis meses para fazer umas calças!, ao que o sastre orgulhosamente respondeu Pois é meu caro mas veja bem o estado do mundo e repare lá no primor das calças!
Há coisas que tardam, mas que quando chegam sao realmente imelhoraveis. Ha coisas pelas quais vale a pena esperar uma vida inteira.
Ontem cruzei contigo na pastelaria. Gostava de um dia ter resposta a esta pergunta: Também sentes que estivemos juntos em alguma vida passada?

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Turn off

Uma miuda nao se pode alegrar muito com estas coisas, o Bayern acaba de marcar.

Champions ao rubro

Eu sou do povo e de vez em quando gosto de ver um bom jogo de futebol, embora faz muito tempo que nao me sentava com o velhote a desfrutar de uma beleza destas: o nosso Porto ganha por 2-0 ao Bayern. Toma Guardiola!, eu, o velhote, o Mourinho, o Pintinho e outros milhares valentes estamos muuuuuuuuuuuuuuito contentes com este duplo caramelo. Ai se o Porto passa...

Querida B

Estás tao crescida minha pequenina. E sabes sempre a resposta certa às perguntas que a tia te faz:
- Quem é o grande amor da vida da tia?
- É a B.
- Quem é a princesa encantada dos contos de fada do mundo da tia?
- É a B.

Um dia vais descobrir isso querida: há amores que dao certo a vida inteira, e o nosso é um deles.
A primeira vez que me decepcionei contigo, estava afinal decepcionada comigo mesma. Estava enamorada de alguem sem brilho, com uma vida atrapada num rectangulo sem sol. Eu quis entrar nesse rectangulo, mas so porque queria que ousasses sair dele de mao dada comigo. Nao tive a pretensao de que abandonasses o teu mundo, apenas que aceitasses espreitar o mundo la fora. Queria sentir-te valente, desejava-te rebelde e apaixonado. Seres feliz dez minutos de cada dia de vida teria sido fatalmente sedutor para mim.
Talvez algum dia tu me possas explicar porque abriste mao de caminhar a pe junto ao rebentar das ondas do mar. E porquê que nao foste capaz de esperar por mim para abrires aquela garrafa de vinho.
(...)

Flash

"Escravo é todo aquele que espera que venha alguem e o liberte."
Ezra Pound

domingo, 12 de abril de 2015

A má fortuna de nascer num mundo cruel

Tenho um colega arabe que nao tem uma mao, tem um coto onde se adivinham apenas dois dedos colados e retorcidos como borracha derretida. Hoje sentou-se ao meu lado enquanto tomavamos cafe. Perguntei-lhe se nasceu com a deformacao, ao que me respondeu que quando era menino lhe queimaram a mao. Perguntei-lhe se se lembrava e disse-me que sim mas visivelmente perturbado disse-me que nao consegue falar sobre isso. Ficamos o resto do tempo em silencio e eu imaginei os filmes mais pavorosos, porque aquela mao nao recuou ao fogo como fazemos por instinto sempre que nos queimamos. Aquela mao ardeu ate ao fim, com toda a certeza com ele inconsciente. Apenas a mao, nao ha mais nenhum vestigio de queimadura no corpo visivel.
O que tera feito aquele menino?

Sobreviver na selva

A proposito da discussao no outro dia:
Poucas coisas ha na vida tao boas como a consciencia tranquila e a fidelidade a nós mesmos.

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Doi-me o estomago, nao dormi a noite passada, hoje tive uma discussao.
As vezes sai tudo dos eixos, sem mais. Como se um qualquer processo quase invisivel da engrenagem, desse por empenar.
Um dia, quando crescer, vou ser essa pessoa tranquila, calma para alem das tempestades.

Do nosso mundo

Ainda ha gente com ideais e valores, gente destemida que luta pela liberdade de povos alem fronteiras, referencias politicas com cariz. "Vinte e cinco ex-presidentes denunciam publicamente a repressao na Venezuela.", e esta foi a noticia mais bonita do meu dia.

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Sala de estar

Passei a manhã a ver moveis. Sou de paixoes, de loucura. Vi coisas extraordinariamente bonitas, artesanais, moveis feitos com base em preocupacoes ecologicas, de linhas simples e cores claras. Carissimos, para a minha carteira. Uma mesa de forja e vidro que nao ha outra que me encha as medidas. Sempre soube que nao ia comprar no IKEA, que de resto costuma ter umas linhas modernas muito bonitas. Mas sou o estilo de pessoa que quando compra um movel pensa em ficar com ele a vida inteira. Que fazer. Assim sendo este ano acabaram-se as viagens e os caramelos extra.

Da noite passada

Bukowski. Que dizer de alguem tao marado? Uma especie de Banksy da literatura, digo eu. Nao me enche as medidas mas faz-me rir. E admiro a forma crua como escreve.
A machadada final. Literalmente. Bastou ler de Saramago que D. Quixote é o personagem mais completo da literatura. Querido Gabriel Garcia Marquez vais ficar orgulhoso de mim, quando depois de seguir os teus preceitos, vou por fim num estado avançado do livro.

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Sublime

Do lado de dentro do coracao, vento e resistencia, e muito amor. Nunca tenho duvidas sobre as coisas mais importantes da vida: quem temos e nao o que temos.
...
A quimera do grande amor? Ha indicios de que existe de verdade.
No outro dia um rapaz disse o meu nome. Disse-o de uma maneira diferente, as letras eram as mesmas, a voz dele nao era uma novidade, mas foi a forma como o disse.
...
De todos os homens que amei, guardo no coracao precisamente aquele com quem nunca me deitei. Ele, talvez sem saber, me tenha oferecido mais do que qualquer outro. Quem sabe ainda hoje se deite sem cerimonias, todos os dias, com a minha alma nua.

Flash



O ceu pintado com a cor Paixao

Flash




Missing sunny days

Um autentico prazer

Entretanto comecei a ler o irresistivel Charles Bukowski, A mulher mais bonita da cidade, oferecido pela minha querida R.
Faz muito tempo que nao lia um livro de golpe, todo de enfiada. Naufragos, uma historia veridica de uns africanos que se meteram numa pateira rumo a esta ilha, e que morreram todos nesse trajecto infeliz. Um deles foi escrevendo os relatos diarios da viagem, e quando encontraram o barco com os cadaveres a bordo, dentro de um plastico estavam essas aterradoras memorias, nas quais se baseia o livro.
Tao triste. Olho para os turistas estendidos na praia e nem posso acreditar que aqui junto ao paraiso outros homens iguais sofrem tanta desumanidade...
Nao sei se as universidades agora sao como no meu tempo. Sao inevitavelmente mais avancadas, mais tecnologicas. Mas no meu tempo as universidades nao so formavam profissionais, sobretudo formavam Pessoas. Mesmo que eu agora nao exerca a minha profissao, tenho claro que uma das melhores coisas que fiz na vida foi estudar. Toda a educacao que aprendi com os meus pais, com os meus professores, com os livros, prepararam-me para esta incrivel aventura que e viver.
Acho que isso, mais o facto de me considerar uma mulher bonita com todos os caracteres fundamentais que abarcam o conceito na minha forma pessoal de interpretar o mundo, fazem de mim a pessoa segura que sou.

Hello World

Na caixa do supermercado

Estavamos os dois, ele na minha frente. Sujissimo. Sem inspirar muito, a mente fazia-me supor que so poderia cheirar mal. Esqueci-me disso no momento em que lhe olhei para as maos e vi a compra do dia: um cartao de vinho branco, o jornal diario e um pacote de bolachas. Vive na rua faz mais de dois anos, toda a gente no povoado sabe de quem se fala quando se diz o alemao que vive na praia. Contou as moedas que tinha, faltava-lhe um euro e sessenta e cinco centimos. A fila atras de mim ia crescendo. Olhou vagarosamente para as tres coisas - acho que em momento nenhum percebeu que havia gente atras dele - e esticou a mao com o pacote de bolachas dizendo a rapariga na caixa deixo isto. Eu sabia que o vinho ele nao ia deixar, mas no meu interior algo me dizia que o jornal tambem nao, e so por isso posso adivinhar muitas coisas sobre este homem. Paguei-lhe o pacote de bolachas. Nao disse nenhuma palavra, apenas me sorriu e os olhos brilharam humedecidos.

Do que apetece ver

Depois de trinta e seis anos a acreditar que o meu nome teria origem indiana, ao ler uma revista da Universidade do Porto que no espaco Cultura dedica um texto ao tao querido pintor Nadir Afonso, descubro finalmente a verdadeira origem:
 "Nasceu em Chaves a 4 de dezembro de 1920. Era para se ter chamado Orlando mas no dia em que o pai, Artur Maria Afonso, poeta, o foi registar, encontrou um amigo cigano que lhe sugeriu Nadir. Significa raro, em hebreu, e designa o ponto astrologico diametralmente oposto a Zenite, relativamente ao qual desenha uma linha vertical, reta, que passa pelo centro da Terra."

domingo, 5 de abril de 2015

Flash

Domingo de Páscoa

O importante mesmo é estarmos juntos mas sabe ainda melhor se o podemos fazer como hoje, com um vinho Quinta da Leda 2011 (Casa Ferreirinha).

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Num dia como o de hoje

Morreu-nos Manoel de Oliveira, o nosso querido Manoel de Oliveira. Acho que nao ha lugar para tristezas quando falamos de uma vida tao espremida - cento e seis anos de vida - e tao intensa - oitenta anos de carreira. Era do Porto, o que nos orgulha muito.
Confesso que o dele nunca foi o estilo de cinema que me apaixona, mas ao mesmo tempo devo dizer que me ocupa uma metade inteira do coração o inesquecivel Aniki-Bobo.
(...)

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Flash

Semana Santa

Ontem vi um homem ser apedrejado na rua, e nunca mais me vou esquecer.

Não ao racismo

Presenciei um ataque de quatro individuos a um rapaz muçulmano. Nao o conheciam de lado nenhum, nunca o tinham visto, simplesmente o odiavam. Uma coisa triste de cortar a alma, num mundo que se diz tão avançado...

Bom dia Vida

Passei a manhã à volta das minhas plantas. Transplantei a oliveira que trouxe de Portugal. Acho que vamos ser felizes juntas.