quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

O Charlie desapareceu

O ser humano é perverso, e esta é uma das maiores verdades acerca da raça dita humana.
A prova disso é o extremismo a que chegam uns e outros, ainda que atraves do uso de diferentes armas. Nao compreendo a euforia da gente em esgotar a ediçao desta quarta-feira do Charlie Hebdo. Eu nem sequer nunca tinha ouvido falar nessa gente, ate aos acontecimentos tristes e lamentaveis da semana passada. Lembro-me da altura em que saiu publicada a caricatura de Maomé mas nao me ficou na memoria sequer que foi publicada por um jornal frances. De repente o horror vale milhoes e o ser humano acredita mesmo que isso é lutar contra o terrorismo.
Por aqui, nesta terra de nenhures, o Charlie desapreceu no primeiro dia do ano. O Charlie é um cao velhinho, feioso, um bicho de grande porte mas de coracao bondoso. Este Charlie que tambem era anonimo, continua anonimo e nao existe margem de lucro nos carteis afixados nas portas dos comercios da vila. Ninguem tinha inquina a este Charlie, e sendo velho ninguem o queria para coisa alguma. Mas pode ter acontecido algum acidente, o Charlie pode andar perdido e assustado. Temo que quinze dias sejam demasiado tempo, gostava tanto que ele aparecesse.

Sem comentários:

Enviar um comentário