quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Momentos dourados dos meus dias livres

Pintar as unhas dos pes de vermelho natal enquanto bebo uma cerveja 1844 (by Sergi Arola duas estrelas michelin) aromatizada com um toque de maracuja, laranja e pimenta rosa; folhear uma revista de fotografia, ter a mao um livro de poesia e bem baixo no meu Panasonic a voz do Tom Waits.
Hoje à conversa com alguem que chegou de viagem, ela dizia-me que na cidade grande viu alguns sem-abrigo. Que o frio era tanto e de tal maneira cortante, que ve-los dormir encartonados nas ruas causava nos ossos uma sensaçao de gelo.
O mais incrivel - disse ela abismada- foi ver como um sem-abrigo tapava o cao com a unica manta que tinha.
Eu sorri. Conheço bem essa estranha e genuina generosidade em quem nao tem nada.
O segredo do mundo, da raça humana, é o Amor. O poder escondido no coraçao de quem ama. Proteger, cuidar. Ninguem tem poder para nos pode tirar esse poder, mesmo nas condicoes mais adversas.

Flash


"Cuantas veces señalamos a los otros porque son diferentes en su forma de pensar, caminar, vestir, hacer o
hasta de amar. Maltratamos a otros porque los consideramos inferiores o menos inteligentes o porque tienen un color diferente de piel. Hacemos chistes pesados porque pertenecen a alguna cultura y tienen otras costumbres.
Nos sentimos con derecho a juzgar a otros solo porque tienen una opción diferente a la nuestra y nos olvidamos que vivimos en una sociedad plural, donde todos tienen cabida y donde todos deben ser escuchados."
Azul y no tan Rosa, de Miguel Ferrari

Dos filmes que nao esquecemos

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Flash










Missing sunny days

Do sentir

Do blog da Mia:

"Ofereci-te tanta coisa. A mais preciosa, aquela que há muitos anos não dava a ninguém - a mais preciosa, repito, foi a minha absoluta disponibilidade para estar contigo, ouvir-te, ou estar em silêncio perto de ti."
Al Berto, Diários

Da semana

As margaridas campestres que trouxe para casa na semana passada, continuam viçosas. Descobri que dormem, e que me enchem de sol.
O verde da ilha vai ganhando diferentes tonalidades, ha um certo tom electrico que faz com que as montanhas parecam para mim coisa nunca vista. De norte a sul ainda nao vi papoilas, coisa estranha.
Terminei de ler um livro sobre a Inquisicao, tao aterradora como o nazismo ou a escravatura.
Um momento brilhante? Depois de um banho de agua quente, encher a sala com a voz do Pedro Guerra, beber um vinho tinto portugues, e deixar-me adormecer.
Amanha começa uma nova semana para mim, haja tranquilidade.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Março

Dou comigo a pensar em fazer uma caminhada numa manha de sol, pelo parque da cidade do meu Porto. Descer ate ao mar, sentar-me a ver a gente. A paz de estar em casa. Ouvir a gargalhada das minhas Amigas, elas sao e sempre serao o meu porto feliz.
As saudades sao mais saudades quando sabemos que nao podemos voltar, e ao mesmo tempo sentimos que nunca partimos.
"Lleva dias lloviendo de forma imperceptible, como si el otono todavia no se quisiera tomar en serio a si mismo, las calles amanecen mojadas bajo un cielo ligeramente encapotado, y de pronto aparece un sol ingenuo y limpio que saca aristas de brillos al suelo pero que ya no se toma la molestia de calentar."
Pilar Eyre, in Mi color favorito es verte

Noites de insonia

Como se dormir confortavel fosse melhor do que dormir abraçados, como se os dias em que fomos capazes fossem mais plenos do que os dias em que fomos felizes, como se so lhes sobrasse aquilo e nada mais.
Quem tem um objectivo nem sempre se sente mais vivo do que quem nao tem nenhum.

A melhor coisa do mundo é ser-se criança

Aqui sentadas no sofa a ver a Peppa Pig, repete a minha sobrinha:
- Tia tu sabes que os desejos se cumprem? Podes pedir um todos os dias...

O Charlie desapareceu

O ser humano é perverso, e esta é uma das maiores verdades acerca da raça dita humana.
A prova disso é o extremismo a que chegam uns e outros, ainda que atraves do uso de diferentes armas. Nao compreendo a euforia da gente em esgotar a ediçao desta quarta-feira do Charlie Hebdo. Eu nem sequer nunca tinha ouvido falar nessa gente, ate aos acontecimentos tristes e lamentaveis da semana passada. Lembro-me da altura em que saiu publicada a caricatura de Maomé mas nao me ficou na memoria sequer que foi publicada por um jornal frances. De repente o horror vale milhoes e o ser humano acredita mesmo que isso é lutar contra o terrorismo.
Por aqui, nesta terra de nenhures, o Charlie desapreceu no primeiro dia do ano. O Charlie é um cao velhinho, feioso, um bicho de grande porte mas de coracao bondoso. Este Charlie que tambem era anonimo, continua anonimo e nao existe margem de lucro nos carteis afixados nas portas dos comercios da vila. Ninguem tinha inquina a este Charlie, e sendo velho ninguem o queria para coisa alguma. Mas pode ter acontecido algum acidente, o Charlie pode andar perdido e assustado. Temo que quinze dias sejam demasiado tempo, gostava tanto que ele aparecesse.

Carta aos meus mortos

Queridos avô Albano, avó Teresa, tio Rui, tenho muitas saudades vossas. Nao sei se foi por causa do passeio que dei ontem pelo campo, se é por estar tao fechada em mim, que sinto de forma profunda a vossa ausencia.
É verdade o que disse o psiquiatra, quem morre nao sao os outros, quem morre somos nós.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Flash







Esta manha sai para caminhar por duas horas. Em vez de virar em direcao ao mar, optei pela montanha. Enchi-me de terra, trouxe margaridas para casa, todo o tempo escutei silencio e vento. Manto verde, florinhas, bicharada, cheiro a feno.
Que paz.

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Para quem como eu, gosta tanto de boas historias

Hoje li no blog da Mia: o amor nao mata.
Tao simples, tao verdade. Ha gente que foge do amor, que tem medo de se distrair com o amor, de ficar mais fragil, medo de que o amor doa, pavor das responsabilidades. Ha gente que deixa o amor em segundo terceiro ou nenhum lugar.
(...)

Vespera de dia livre

Chegar a casa e enfiar-me debaixo do chuveiro, ficar ali a tornar mais leve o meu avesso. Deixar na sala a voz do Mick Hucknall no ar. Pensar pela ultima vez na semana dura que tive, sorrir e sentir que ja passou.

domingo, 11 de janeiro de 2015

Sentido de humor

Pode salvar-nos do pior dia de cansaço e desalento, impedir que o cinzento nos pinte inteiros.
Hoje ri-me tanto mas tanto, que de repente dei comigo a escutar as minhas proprias gargalhadas alto. O melhor de tudo é que me ria de mim, me ria de nós. Tao bom que vai dar para rir ainda por algum tempo mais, sempre que me lembrar da nossa conversa.
So para que vocês saibam, eu pertenço à CIA. Eu tambem nao sabia, fiquei a saber hoje.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

"Porque siendo Charlie Hebdo somos libres y siendo Charlie Hebdo somos más fuertes ante la barbarie. Es, a fin de cuentas, lo que nos diferencia de quienes portaban las armas y quienes les dieron apoyo ideológico.
A fin de cuentas, lo que más desespera a los bárbaros es comprobar que su vileza no logra el resultado que deseaban. Y eso es lo que ayer hicieron esos miles de franceses al grito silencioso de «Yo soy Charlie Hebdo».
Editorial Canarias7

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Das possibilidades

Algumas vezes, em anteriores Invernos, a ilha teve periodos de alguma "penugem" verde. Mas nunca ao longo destes anos, as montanhas ficaram assim, realmente vestidas de verde. Os campos que nunca foram campos, estao cobertos. Ha flores agrestes e eu preciso de sair a fotografar tudo isto antes que se acabe. Tanta semente que vivia escondida, á espera da quantidade certa de agua e de sol. Anos de paciencia, de espera. Depois da experiencia de viver um ano inteiro sem chuva, isto: toda a beleza criada pela chuva de duas semanas.
Deus transforma todas as coisas, a qualquer instante...

2015

Recebi resposta a um email enviado em 2011.

Nuvens alaranjadas num ceu azul cru

As dezassete horas do dia de hoje uma mao cheia de turistas tiravam fotografias ao mostrador de rua que indicava vinte e tres graus.
Eu estava parada num semaforo, sentia frio e sorri.

Flash




Old pics

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Tem estado muito frio na ilha. Tanto tanto, que as saudades do Inverno passaram-me. Nas gentes na rua revejo-me ha uns anos atras, nos turistas que chegam aqui por esta altra do ano e andam com roupas e calcado de Verao. Hoje perguntei a uma francesa se nao tinha frio, acho que se notava no meu tom de voz como estava escandalizada por ela estar vestida como me visto eu nos dias de quarenta graus. O clima aqui tem mudado muito, eu converti-me numa islenha o que me faz pensar que um dia se regresso a casa vou sofrer horrores nos seis meses de Outono e Inverno. Sabe bem numa viagem, durante dez dias, sabe bem enquanto estamos debaixo do nordico, quando vestimos um jersey de la que nao usamos nunca por falta de ocasiao. Mas semanas seguidas, nao ha quem aguente.

domingo, 4 de janeiro de 2015

Flash

"Tenho os olhos azuis de tanto os ter lançado ao mar."
Maria do Rosario Pedreira

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Cada vez mais preciso de silencio, de noites bem dormidas, de comidas ligeiras. Ja nao desfruto de um vinho como antes, nao sinto necessidade nenhuma de me embelezar para festas, mesmo que seja um casamento ou o final de ano. Sempre li muito mas ultimamente leio todo o tempo. Confesso que nao sei se seria capaz de compartir o espaco da minha casa com alguem de forma constante. Ao mesmo tempo que valorizo cada vez mais o meu lado espiritual, percebo que nao sou capaz de abrir mao de um certo conforto no que diz respeito a determinadas coisas. Comeco a ter consciencia que as pessoas mais importantes na minha vida nao sao eternas, que o meu feitio nao e o mais facil e que ja estou a gastar a minha segunda metade da vida. Sao pesos pesados.
Uma parte de mim envelheceu quase repentinamente, foi-me dito por um medico ha quase dez anos, sabia que ia acontecer assim. Digamos que amo a Vida, mas perdi o entusiasmo.
Nao e uma fase, nao e uma situacao passageira que resulta como consequencia do tempo ou do meu estado de animo, do fim de um relacionamento, de um despedimento, de um luto. Nao e uma questao de ir ao ginasio, nao se trata do envelhecimento natural porque esse eu considero bonito. Entrei na fase irreversivel do meu corpo fisico. Entristece-me sentir-me cansada o tempo todo, nao me preocupa a pele ou o rabo ou o peito caido, nao sou do estilo; preocupa-me a intolerancia cada vez mais acentuada dos meus olhos, o meu figado e os meus rins e todas as coisas que o meu corpo comeca a nao aceitar.
Sou uma miuda de 36 anos que nem sequer aparenta a idade que tem. Como explicar que ca dentro tenho 50.

First day of the year

Spring is here.