quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Ultimo dia do ano

Ano velho, ainda.
Foi um ano de alguma luta interior, de pouco ou nenhum avanço em algumas areas importantes a nivel pessoal, mas mesmo assim um ano de algum crescimento porque quando a vida estagna tambem nos da grandes liçoes. O mais importante é que todos os meus amigos estao vivos, os meus pais estao vivos e vou estar com eles em mais uma passagem de ano, os meus irmaos estao vivos, o meu gato esta velhinho mas esta vivo, a minha sobrinha nao so esta viva como esta cheia de vida, algumas crianças nasceram e novas sementinhas ja estao plantadas.
Em 2014 houve uma serie de pessoas novas na minha vida, de gente anonima, de gente desinteressada, de gente de passagem e de gente do dia a dia; algumas dessas pessoas contribuiram para a minha estabilidade geral. A minha cabeleireira, a senhora da mercearia, companheiros de trabalho, a educadora da minha sobrinha, o padeiro, a minha hematologista, os senhores da Campofrio que durante uma semana nao forneceram fiambre de peru aos supermercados e para mim foi significativo. As vezes nao pensamos nisso, nos pequenos nadas vitais, na quantidade de pessoas necessarias para que a nossa tranquilidade se produza desta forma que afinal nos permite celebrar mais um novo ano cheios de conforto: com um sapato giro, com um bom champanhe, com chamadas telefonicas sem limite, com a familia reunida, com iguarias feitas pelas maos de casa com os ingredientes mais frescos e de melhor qualidade, num pais onde ha paz, com um fogo de artifico belissimo, agasalhados do frio, com uma conta bancaria onde no dia 1 nos cai um salario. É preciso dar valor ao que temos. É importante que sejamos humildes e gratos, conscientes de que sempre vamos precisar uns dos outros.
Desejo que 2015 nos traga muita luz a todos, muito Amor ao mundo, esperança e avanço em todas as investigaçoes importantes em doenças que as vezes nem nunca ouvimos falar ou nem sabemos pronunciar correctamente o nome. Que seja um ano em que aumenta a nossa consciencia solidaria, porque o mundo precisa.
E que chegue o meu grande Amor, porque faz falta á minha vida e aos meus dias.
(...)

Sem comentários:

Enviar um comentário